Robótica

Nano robôs enxame usam comportamento aleatório para se locomover e realizar pequenas tarefas em grupo

A ideia por trás dos robôs de enxame é substituir componentes discretos, caros e quebráveis ​​de tarefas domésticas por um monte de robôs muito mais simples, baratos e substituíveis que podem trabalhar juntos para realizar o mesmo tipo de tarefas.

Infelizmente, todos esses robôs enxame acabam precisando de sua própria computação, comunicação e outras coisas, se você quiser que eles façam o que você quer que eles façam.

Uma abordagem diferente da robótica de enxame é usar um enxame de robôs muito mais baratos e muito menos inteligentes. De fato, eles podem não ter que ser inteligentes, se você puder confiar nas características físicas deles para conduzi-los.

Esses enxames são “estocásticos”, o que significa que seus movimentos são determinados aleatoriamente, mas se você for inteligente e cuidadoso, ainda poderá fazê-los fazer coisas específicas.

A Georgia Tech desenvolveu alguns pequenos robôs enxame chamados “smarticles” que não podem realmente fazer muita coisa por conta própria, mas depois que você os reúne, a aleatoriedade deles pode realmente realizar algo.

Honestamente, chamar esses robôs de partículas de “inteligentes” pode estar dando a eles um pouco de crédito demais, porque na verdade eles são meio burros e, falando estritamente, não são capazes de tudo por conta própria.

Um único smarticle pesa 35 gramas e consiste em alguns pequenos pedaços de disquete impressos em 3D anexados a servos, além de um Arduino Pro Mini, uma bateria e um sensor de luz ou som. Quando seus pequenos bits de abano são ativados, cada smarticle pode se mover um pouco, mas um único se move apenas em um quadrado e depois se desloca gradualmente em uma direção quase aleatória ao longo do tempo.

Fica mais interessante quando você joga um monte de smarticles em uma área restrita. Uma pequena coleção de cinco ou 10 smarticles constrangidos em conjunto formam um “supermarticle”, mas além de estarem muito próximos um do outro, os smarticles dentro do supermarticle não estão se comunicando ou algo assim.

No que diz respeito a cada artigo, eles são independentes, mas, estranhamente, um bumble deles pode trabalhar juntos sem trabalhar juntos.

Acontece que é possível modelar esse comportamento e controlar um supermarticle com fidelidade suficiente para conduzi-lo através de um labirinto.

Embora esses smarticles em particular não sejam tão pequenos assim, estritamente falando, a ideia é desenvolver técnicas que funcionem quando os robôs forem reduzidos até o ponto em que você não consegue ajustar fisicamente a computação útil.

Livros sobre I.A

stoploss-com-inteligencia-artificial

StopLoss com Inteligência Artificial: Estr...

livro-inteligencia-artificial

Inteligência Artificial – Clássico n...

data science do zero

Data Science do zero – Primeiras Reg...

entendendo-a-inteligencia-artificial

Entendendo Inteligencia Artificial

logia-fuzzy

A Inteligencia Artificial (Lógica Fuzzy) p...

inteligencia-artificial-no-ensino

Inteligência Artificial no Ensino. Como Co...

inteligencia artificial teoria pratica

Inteligência Artificial – Teórica e ...

superinteligencia-caminhos-perigos-estrategias

Superinteligência: Caminhos, Perigos, Estr...

Cursos de I.A

instarise

Instarise – Inteligência artificial ...

curso robôs im inteligência artificial facebook

ROBOS.im – Plataforma para criação d...

Tudo Sobre IoT curso online

Tudo Sobre IoT – Internet das Coisas

internet-das-coisas-curso

Internet das Coisas – Uma visão ampl...

curso-inteligencia-artificial-avancada-assistentes-pessoais

Inteligência artificial avançada para assi...

talia sistema inteligencia artificial advogados

Talia – Inteligência Artificial para...

congresso-online-inteligencia-digital-futurismo

Congresso Online de Inteligência Digital &...

curso online robotica automacao residencial

Curso de Robótica e Automação Residencial