Inovações

Robô químico é usado para acelerar avanços da medicina

inteligência artificial

Uma equipe de pesquisa da Universidade de Glasgow, na Escócia, desenvolveu uma espécie de robô químico, que usa o aprendizado de máquina para acelerar as descobertas de reações químicas e moléculas. O conceito de aprendizado de máquina consiste na ideia de que sistemas podem aprender com dados, identificar padrões e tomar decisões com o mínimo de intervenção humana. Em outras palavras, a máquina consegue aprender praticando a realizar alguma ação.

O algoritmo usa o aprendizado de máquina para prever os resultados das reações químicas com base no que ele obtém da experiência direta com apenas algumas interações. Na prática, em um teste com 1.000 reações possíveis de 18 produtos químicos, a máquina só precisou explorar 100 delas para prever reações dignas de estudo em todo o lote, e isso com cerca de 80% de precisão.

Tendo esses resultados como base, é fácil ver como o robô pode acelerar drasticamente o processo de descoberta, permitindo que os cientistas gastem seus esforços no que realmente importa, se concentrando nas reações com maior probabilidade de ocorrer. Isso poderia acelerar o desenvolvimento de novos tratamentos, novas drogas e novos remédios.

Mas antes que você possa imaginar que esse processo de automação possa retirar alguns empregos de cientistas por aí, acredite, isso não necessariamente aconteceria. Ao invés disso, uma máquina dessa poderia ajudar os químicos a se concentrarem nos aspectos mais complicados da pesquisa, em vez de se concentrarem em testes que podem ou não levar a algum resultado positivo.

A equipe espera que o resultado ajude a trazer um caminho para a digitalização da química e o desenvolvimento de novas abordagens para a química usando um código digital que impulsiona robôs químicos autônomos, reduzindo, inclusive, o custo de pesquisas.